X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

(77) 99823-5791

(77) 3441-6140

contato@radionovavidafm.com.br

Ouça a Rádio
TLM Personalização
Selma Ribeiro Assessoria em Mídias
Anuncie conosco
Anuncie Conosco

Quaresma: tempo de reflexão à luz do evangelho de Cristo

Postado por Jailton Neri dia em Notícias

Quaresma: tempo de reflexão à luz do evangelho de CristoFoto: Reprodução
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

No passado, o tempo de preparação para a Páscoa era de três dias, o chamado tríduo, composto pela Quinta-feira Santa, Sexta-feira Santa e Sábado Santo, porém tendo em vista o pouco tempo de reflexão para um momento grandioso, que foi a ressurreição de Cristo, tal tempo litúrgico foi estendido para quarenta dias, designado então de Quaresma.

A partir disso, pode-se dizer que a Quaresma constitui um período de quarenta dias em que os cristãos católicos realizam a preparação para a Páscoa, considerada festa de grande importância no calendário litúrgico, pois é celebrada a Ressurreição do filho de Deus, àquele que veio ao mundo, para a salvação de toda a humanidade.

O número quarenta é simbólico na sagrada escritura. Destacam-se, por exemplo: o dilúvio com duração de quarenta dias e quarenta noites; também pode ser lembrado os quarenta anos em que os hebreus andaram pelo deserto rumo a terra prometida, após atravessarem o mar vermelho; a passagem de Jesus jejuando por quarenta dias e quarenta noites, dentre outros. Isso sugere que a numeração relembra fatos importantes na história da salvação cristã, cujo tempo é mais amplo de preparação.

De acordo a liturgia, a Quaresma tem começo na celebração da Quarta-feira de cinzas e finaliza na Quinta-feira da Semana Santa. No Brasil, nessa data, a igreja convoca todos os fiéis a refletirem acerca da Campanha da Fraternidade. O tema no ano de 2019 é: “Fraternidade e Políticas Públicas” e o lema: “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1, 27).

Ao mencionar uma reflexão diferente a cada ano, percebe-se o incentivo a mudança do olhar sob a realidade precária em que vivemos na atualidade. Todos os fiéis são convidados a darem um sentido diferente a sua vida à luz da Palavra de Deus e, para isso, as atitudes de oração, jejum e penitência são essenciais.

A oração é o ato de falar com Deus. Como relata o evangelista Mateus, “Mas quando rezares, entra no teu quarto, fecha a porta e reza ao teu Pai que está no oculto. E o Pai, que vê no oculto, te dará a recompensa.” (Mt, 6, 6). Para isso, é necessário profundo desejo de diálogo com o Pai celeste para que nós o escutemos. Há aqui não somente o ato de pedir por algo, mas também a virtude da gratidão por tudo ocorrido em nossa vivência, pois nos leva a aprendizagem.

Também é pertinente citar o silêncio para meditar. Através dele podemos “mergulhar” no recolhimento oracional para visualizar melhor a vivência cristã. Percebemos, depois, a voz de Deus, sua resposta diante de quaisquer questionamentos nossos. O ato de recolher é um afastamento fundamental para esse momento litúrgico, nos aproxima mais do que vem do alto.

É propício lembrar ainda do jejum. Ele é uma maneira de educação, ou seja, de aprendermos a ter domínio sobre nosso corpo e nossas vontades terrenas. Atrelado ao jejum, temos a penitência, espécie de redirecionamento para vida em nome de Deus. Através da penitência, somos capazes de converter nosso coração no encontro com Deus.

Há a necessidade de conversão, pois somos sujeitos pecadores. Nessa perspectiva, portanto, a proclamação das leituras desse tempo quaresmal, leva-nos a profunda reflexão sobre o nosso agir no mundo de acordo a vontade de Deus. Já que somos seus filhos, Ele quer de nós a obediência que se resume ao primeiro mandamento: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, com toda a alma e com toda a mente” (Mt 22, 37).

A vontade do pai do céu é ver seus filhos em comunhão com o seu projeto de vida eterna. Para isso é dever de todo o cristão refletir sobre suas condutas a luz do evangelho de Cristo. É necessário nos situarmos na sociedade como sujeitos conscientes do nosso papel, então é propício o ato de comunhão com Jesus em todo o seu trajeto de vida, percorrendo a sua entrega a morte de cruz até a ressurreição, ápice da fé católica, pois é a reafirmação de que Cristo vive e reina para sempre em favor do seu povo.

 

Texto: Priscila dos Santos

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: