X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

(77) 99956-0325

(77) 3441-6140

contato@radionovavidafm.com.br

Ouça a Rádio
TLM Personalização
Selma Ribeiro Assessoria em Mídias
Etec
Elite

Nota sobre os cortes no Programa Cisternas

Postado por Jailton Neri dia em Notícias

Nota sobre os cortes no Programa CisternasFoto: Foto Reprodução
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Nós representantes das articulações, redes, organizações e movimentos sociais e
sindicais, e membros da Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica –
CNAPO e de suas Subcomissões Temáticas - STs, viemos a público manifestar nosso
repúdio à falta de prioridade do Governo Federal com o Programa Cisternas, ao
propor, no Projeto de Lei Orçamentaria Anual – PLOA 2018, a redução de recursos do
programa, de R$ 248,8 milhões, previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) 2017,
para apenas R$ 20 milhões no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2018, o que
significa apenas 8% do recurso disponível em 2017 e 6% do recurso de 2010, ou seja,
um corte de 92%, praticamente acabando com o Programa Cisternas.
O valor de R$ 20 milhões destinados para 2018 é equivalente ao orçamento previsto
em 2003, primeiro ano em que o Orçamento Geral da União teve recursos previstos
para o Programa Cisternas, como fruto de uma construção politica da Articulação no
Semiárido (ASA) e do CONSEA, em diálogo com o governo federal.
A demanda de Cisternas de água para consumo humano é da ordem de 350 mil
famílias no Semiárido brasileiro e há uma demanda ainda maior pela democratização
das tecnologias sociais de armazenamento de água para produção de alimentos.
Somado a esse corte, ainda estão previstas reduções de recursos em várias outras
politicas que atingem diretamente a população rural do Semiárido, e acontece no
momento em que a região vivencia 6 anos (2012 a 2017) da maior seca dos últimos
100 anos - em que não há registros de migração, frentes de emergência, saques nas
cidades e nem mesmo mortes humanas. Pelo contrário, comemoramos mais de 1
milhão de famílias com acesso à água de qualidade para beber e cozinhar,
beneficiando mais de 5 milhões de pessoas.
Repudiamos a falta de prioridade por parte do governo federal para o Semiárido,
sobretudo no momento em que o Programa Cisternas recebe reconhecimento
internacional com o Prêmio Política para o Futuro da ONU. O que temos observado é
a crescente disponibilidade de recursos para ações que já demonstraram sua
ineficácia no passado e reforçam o combate à seca e o aumento da fome. É a volta do
velho “Coronelismo” e, com ele, a “Indústria da Seca” e da Fome.
Não podemos admitir os cortes no Programa Cisternas, reivindicamos que os
parlamentares e o governo federal revejam o montante de recursos destinados ao
Programa, ampliando o seu orçamento para 2018 para, no mínimo, R$ 250 milhões.
Com este posicionamento, as organizações e movimentos da CNAPO se somam às
milhares de vozes dos povos do Semiárido pelos direitos à terra e à água, aos
alimentos de qualidade e sem veneno, preservando suas sementes locais e a
biodiversidade. Por um Semiárido Vivo, resistiremos!!!!
Auditório do Anexo I do Palácio do Planalto.
Brasília/DF, 30 de novembro de 2017.
ABA – Associação Brasileira de Agroecologia
APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil
APOINME – Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas
Gerais e Espirito Santo
Articulação de Mulheres do Campo de Minas Gerais
Articulação Nacional de Agroecologia
AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia
CAATINGA – Centro de Assessoria e Apoio aos trabalhadores e Instituições NãoGovernamentais
Alternativas
Câmara Temática de Agricultura Orgânica
Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá
CNS – Conselho Nacional das Populações Extrativistas
CONTAG – Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e
Agricultoras Familiares
CTA-ZM – Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata
Fórum Brasileiro de Sistemas Brasileiros de Garantias
FSE – Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional
GT Gênero e Agroecologia
GT Mulheres da Articulação Nacional de Agroecologia
MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens
Marcha das Margaridas
MCP – Movimentos Camponês Popular
MMM – Marcha Mundial de Mulheres
MMTR/NE – Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste
MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores
PJR – Pastoral da Juventude Rural
Rede ATER Nordeste
Rede Ecovida de Agroecologia
Rede Xique Xique
SERTA – Serviço de Tecnologia Alternativa
Terra de Direitos – Organização de Direitos Humanos
UNICAFES – União Nacional das Cooperativas de Agricultura Familiar e Economia
Solidária
Via Campesina

Texto: CNAPO

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: