X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

(77) 99823-5791

(77) 3441-6140

contato@radionovavidafm.com.br

Ouça a Rádio
TLM Personalização
Selma Ribeiro Assessoria em Mídias
Elite
Anuncie Conosco

Fórum Social Mundial 2018 - Um balanço Necessário

Postado por Jailton Neri dia em Notícias

Fórum Social Mundial 2018 - Um balanço NecessárioFoto: Reprodução WhatsApp
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Foi uma festa da diversidade, da resistência, protestos, debates, troca de experiências, foi um encontro das possibilidades: foram Cinco dias intensos, 19 eixos temáticos, 100 caravanas, 1,2 mil voluntários(as), 2,1 mil atividades, 6 mil organizações e movimentos da sociedade civil fizeram da 13ª edição do Fórum Social Mundial 2018 (FSM), entre os dias 13 e 17 de março, em Salvador, um marco da resistência mundial em defesa do Ser e de convivência harmônica planetária. Entre participantes, ouvintes, visitantes, expositores, debatedores, pessoas circulando nas áreas dos eventos, e militantes da mais diversas causas sociais, foram aproximadamente 150 mil pessoas dos cantos mais diversos, o mundo reunidos celebrando contribuições das mais diversas possíveis. Entre os temas com maior número de atividades inscritas e realizadas estão: Desenvolvimento, Justiça Social e Ambiental” e “Direitos Humanos”, além dos relacionados com as questões raciais como, “Vidas Negras importam” e “Um mundo sem racismo, xenofobia e intolerância”. Importante destacar que nesse FSM, as vozes das mulheres e dos feminismos, das juventudes, dos movimentos em defesa da democracia, dos povos tradicionais (indígenas e de matriz africana), dos movimentos negros e de enfrentamento ao racismo, dos movimentos ambientalistas, do segmento LGBTQI+, da economia solidária, das pessoas com deficiência, das/dos artistas, entre outros. Dentre as diversas atividades, as quais participamos, chamo a atenção da Marcha de Abertura, no dia 13 de março, com 60 mil pessoas; Assembleia Mundial em Defesa da Democracia no Estádio de Pituaçu, no dia 15 de março, com público estimado de 18 mil pessoas. O evento reuniu lideranças de movimentos sociais do Brasil e do mundo, e políticos de destaque, a exemplo dos ex-presidentes Luís Ignácio Lula da Silva e Manuel Zellaya (Honduras); Assembleia Mundial das Mulheres, nomeada “Marielle Franco”, que ocorreu na manhã do dia 16, no Terreiro de Jesus (Pelourinho), e contou com a participação de 8 mil pessoas, em sua maioria mulheres. Entre elas a “Madre da Plaza de Mayo, Nora Cortinãs; Eda Duzgun, liderança das mulheres curdas; e, ainda, Ato em defesa da Universidade Pública; Marcha contra o Racismo e a Intolerância Religiosa; Marcha em homenagem à Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro assassinada que iria participar do FSM 2018; Marcha das Mulheres Negras; Convergência Educação, Cultura e Direitos Humanos; Convergência: Cultura e Revolução; Colóquio Brasil: estado de exceção; Assembleia Mundial dos Povos Indígenas; Tribunal do Feminicídios das Mulheres Negras; Tribunal dos Despejos; Diálogo Internacional, Convergência de Lutas : África e sua Diáspora no Século XXI; Assembleia Mundial das Juventudes; Convergência: Convenção Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência – Avanços e Desafios; Assembleia das mulheres do Hip Hop; Convergência Cultura de Resistências e Direitos Humanos; Convergência: Vidas Negras Importam; Convergência Revolução e Culturas de resistência; Plenária do Fórum Social Mundial de Migrações (FSMM); Plenária do Fórum Social do Panamazônico (FOSPA); destaco como importante, durante o FSM 2018, não houve nenhum ato de violência física. Me chamou a atenção um princípio norteador do Fórum Social, se dizendo apartidário. São 14 pontos e no ponto 8º diz: “O Fórum Social Mundial é um espaço plural e diversificado, não confessional, não governamental e não partidário, que articula de forma descentralizada, em rede, entidades e movimentos engajados em ações concretas...” Até este ponto, talvez seja compreensível, para alguns. Mais adiante “Não deverão participar do Fórum representações partidárias nem organizações militares. Poderão ser convidados a participar, em caráter pessoal, governantes e parlamentares que assumam os compromissos desta Carta.”. “O texto diz que um partido não poderia estar representado no evento, ou seja, não poderia ser identificado como tal. Não poderia se manifestar como partido. Ou seja, estaria presente, mas não estaria”. O fato é que esse ou aquele partido no campo da esquerda, estava lá, inclusive, nos grandes diálogos e debates, ainda, que, extra-oficialmente. Por fim, Foi um FSM mobilizado pela resistência e também pela proposição de alternativas, conforme apontou Damien Hazard, da Vida Brasil e Conselho Internacional. A luta por justiça climática foi exemplo de pauta abraçada de forma comprometida pelas lutas sociais neste fórum, com outras visões sobre o modo de vida e organização humana. O slogan Resistir é Criar, Resistir é Transformar, edição 2018, dialogou fortemente com o evento e esteve presente nas várias iniciativas, propostas e agendas apresentadas na Ágora dos Futuros, que encerrou o fórum na Praça das Artes da UFBA. Estamos na luta, sempre.

Texto: Professor Joilson Bergher 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: